Notícias

Trajetória de um imortal documentada em livro

5 de Maio de 2018

Livro “Jomar, o encantador de palavras”, de Benedito Buzar, Sebastião Moreira Duarte e Félix Alberto Lima, será lançada neste sábado, às 18h30, na livraria AMEI, no São Luís Shopping

Jomar Moraes terá sua história relembrada em livro

SÃO LUÍS-Homenagem a um escritor e cronista maranhense que deixou um legado para a literatura brasileira, o livro “Jomar, o encantador de palavras” será lançado neste sábado, às 18h30, na livraria AMEI (São Luís Shopping), um dia antes do aniversário de nascimento do homenageado. A obra, de autoria de Benedito Buzar, Sebastião Moreira Duarte, da Academia Maranhense de Letras (AML), e do jornalista e escritor Félix Alberto Lima, é uma narrativa que delineia a trajetória de Jomar desde a descoberta da leitura e da escrita até sua chegada à Casa de Antônio Lobo.

“Jomar aprendeu a ler sozinho e só chegou a obter os primeiros títulos de formação escolar depois dos 20 anos. Antes, adulterou a própria idade para ingressar na carreira de sargento da polícia, a contragosto do pai, músico de alma cigana e boêmio incorrigível. Na verdade, em vida, Jomar chegou a sugerir que eu fizesse uma série de entrevistas com ele, as quais seriam reunidas em um livro, que acabou não saindo. Mas como ele teve sua vida abreviada, infelizmente não chegou a ver o resultado”, conta Félix Alberto Lima.

Jomar estreou na literatura em 1963, com o livro de poemas “Seara em flor”, de forte inspiração evangélica, numa época em que José Alípio havia convertido toda a família à Assembleia de Deus. Essas e muitas outras histórias fazem parte do inventário de uma série de entrevistas com o cronista nos anos de 2009 e 2010. Benedito Buzar, presidente da AML, por exemplo, faz um retrospecto da passagem do escritor pela instituição, especialmente a disputada eleição de 1969.

Buzar conta que abraçou a candidatura de Jomar por meio da coluna “Roda Vida”, que editava no antigo “Jornal do Dia”, assinando com o pseudônimo de J. Amparo, em contraposição a Erasmo Dias, que com entusiasmo defendia a candidatura do poeta Fernando Braga. “Jomar e eu construímos uma sólida amizade, que começou na atividade jornalística. Depois, ele me incentivaria a disputar uma Cadeira na AML”, relembra.

Sebastião Moreira Duarte discorre sobre os desafios impostos a Jomar Moraes ao longo de sua trajetória, dos importantes cargos públicos a pesquisas de vulto e ousados projetos literários e editoriais. “Ele doía-se de que o criticassem por ter sido diretor da Biblioteca Pública sem ser bibliotecário, de escrever em jornais sem ser bacharel em Jornalismo, de ser historiador, de absoluta confiabilidade documental, sem ter feito nenhum curso de História. Resolveu dar a devida lição aos que o criticavam à socapa: calado, tirou diploma em todas essas áreas (o de História, em nível de M. A.), causando constrangimento, não poucas vezes, aos seus professores”, relata Moreira Duarte.

O livro traz ainda depoimentos raros de Jomar Moraes sobre sua relação com a AML, o gosto pela literatura, o início na poesia, amigos, a Pousada do Mordomo Régio, em Alcântara, e o convite que lhe fora feito pelo então governador Nunes Freire para disputar um mandato de deputado estadual. Jomar revela também que deixou um livro inédito de ficção, com oito contos sobre temas variados.

“Jomar Moraes sempre foi original, até no prenome. Pessoa de grande persistência, ele encantou a todos de quem se aproximou por sua capacidade de realizar o impossível: produziu centenas de livros num país sem leitores”, argumenta Luiza Lobo na apresentação da obra, que tem o selo da Clara Editora e Edições AML.

Serviço

O quê

Lançamento do livro “Jomar, o encantador de palavras”

Quando

Hoje, às 18h30

Onde

Na livraria AMEI (São Luís Shopping)

Entrada franca