Notícias

Dois relançamentos de livros para homenagear Nauro Machado

29 de julho de 2017

Livros serão relançados na quarta-feira (Foto: Flora Dolores / O ESTADO)

SÃO LUÍS- Em homenagem ao poeta Nauro Machado, falecido no dia 28 de novembro de 2015, a Universidade Federal do Maranhão (UFMA) promoverá, na quarta-feira, dia 2 de agosto, às 19h, na Livraria da Associação Maranhense dos Escritores Independentes (AMEI), no São Luís Shopping, o relançamento dos livros “Funil do Ser – canções mínimas”, de autoria do maranhense, e “A revelação de Nauro Machado”, da professora Maria de Nazaré Cassas de Lima Lobato. Os dois estão sendo reeditados pela Edufma, sob a supervisão do professor Sanatiel de Jesus Pereira, diretor da Edufma. Nauro completaria 82 anos no dia 2 de agosto.

“Funil do Ser – canções mínimas”, que reúne mais de 120 poesias do autor, tem apresentação assinada pelo crítico literário, escritor, poeta e jornalista Hildeberto Barbosa Filho, mestre em Literatura Brasileira e professor da Universidade Federal da Paraíba. “Como um Baudelaire, como um Augusto dos Anjos, como um João Cabral de Melo Neto, Nauro Machado se reconhece, no plano do vocabulário escolhido e da sintaxe versificatória, à leitura de qualquer poema. À semelhança de certos pintores, que não careceriam de assinar seus quadros para podermos identificá-los um Goya, um Van Gogh, por exemplo), Nauro também não precisa assinar seus poemas para ser reconhecido”, escreveu Hidelberto Barbosa Filho, no texto “Convivência Crítica – Nauro Machado, poeta de sempre!”, um dos ensaístas brasileiros que mais entende a poesia de Nauro Machado e escreveu com mais percepção sobre sua obra, tendo sido escolhido para fazer a introdução da série “Os melhores poemas”, mantida pela Editora Global (SP).

E mais: “Seu estilo é tão próprio, tão singular, tão característico e tão coerente com os assuntos, temas e motivações que aborda em seus poemas, que o que lemos nele só podemos ler nele, como se fora uma marca e um selo irrepetíveis, uma espécie de idiossincrasia surpreendente, ou, como diria Ezra Pound, uma novidade que permanece sempre novidade”, escreveu Hildeberto Barbosa Filho.

Maria de Nazaré cassas de Lima Lobato e Nauro Machado no lançamento da primeira edição do livro “A revelação de Nauro Machado” (Foto: Divulgação)

O livro “A revelação de Nauro Machado”, de Maria de Nazaré Cassas de Lima Lobato e apresentado pela escritora Arlete Machado, viúva de Nauro Mahcado, em sua primeira edição traz o prefácio do romancista, contista e teatrólogo, professor da UFMA, Fernando Moreira, que diz: “Trabalhando a obra de Nauro Machado, a professora Nazaré Lobato estabelece, com sua profunda sensibilidade, como que uma ponte que facilita ao leitor a incursão do sombrio, conturbado e infinitamente belo universo do poeta”. O trecho foi transcrito nessa segunda edição. Trata-se da primeira dissertação de Mestrado em torno da obra poética de Nauro Machado.

“O livro ‘Funil do Ser’ foi feito pela própria UFMA, em 1995. Ele ainda estava vivo quando a instituição decidiu fazer a segunda edição, mas, infelizmente, nos deixou antes, mas o livro já estava pronto. A instituição guardou e agora lança com esse outro, que é a Dissertação de Mestrado da professora Maria de Nazaré Lobato na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em 1986, mas que foi editado pela UFMA em 1987, ou seja, está completando 30 anos”, informou Arlete Machado.

Nauro Machado era autodidata e tinha vasto repertório cultural e literário, transitando, com extrema facilidade, pelos campos da Filosofia e da Arte. Trabalhou em diversos órgãos federais, estaduais e municipais, tendo desempenhado, inclusive, o cargo de Assessor Cultural da Secretaria de Cultura do Estado do Maranhão. Publicou mais de 40 títulos, além de ensaios críticos sobre escritores maranhenses. Sua poesia já foi traduzida para as línguas inglesa, alemã, francesa, espanhola e grega; bem como constitui objeto de investigação para respeitados pesquisadores. Em 1998, ele conquistou o Prêmio Poesia da Academia Brasileira de Letras.

Serviço

O quê

Lançamento dos livros “Funil do Ser – canções mínimas” (reedição), de autoria do maranhense, e “A revelação de Nauro Machado”, de Maria de Nazaré Cassas de Lima Lobato

Quando

Dia 2 de agosto

Onde

Livraria da Associação Maranhense dos Escritores Independentes (AMEI), no São Luís Shopping (Jaracati)

Do livro “Funil do Ser – canções mínimas”

Caixa de música

Dor, pátria do azul

E cancro senil,

Terra da minha alma

Até a eternidade!

Este é o meu banquete

De desesperanças:

Um arrebentado

Cofre de fantasmas.

Noite de Gala

Quem pode dor pérola

Ser considerado de realidade?

Ostras de defunto,

Sexo de mentira,

Dessas rasas pedras,

Desses cuspes frios,

Se faz um verão.