Blog

Academia Maranhense de Letras

Natalino Salgado

Cadeira 16


Uma década e dois séculos de vivência

25 de novembro de 2018

A Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro celebrou, no início deste mês de novembro, precisamente dia 5, seus (bem vividos) 210 anos de fundação. Uma década e dois séculos se passaram, mas eis que a Faculdade de Medicina se mantém jovem na essência, produtora de conhecimento técnico, disseminadora do compromisso ético que devem ter todos os discípulos de Hipócrates.

A sessão solene que celebrou a data transcorreu no dia 6, nos salões da Academia Nacional de Medicina, companheira do culto do saber médico. Àquela ocasião, reuniram-se acadêmicos, autoridades e sociedade para comemorar esta longa travessia de anos que consolidou a Faculdade como uma referência de espaço privilegiado da discussão, fomento e difusão da ciência médica. Em seu discurso inspirador, o Acadêmico Antonio Egidio Nardi trouxe à lume a memória daqueles que inspiraram, com suas vidas, nosso horizonte por meio do exemplo que nos legaram.

Trata-se do aniversário de fundação da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro uma das efemérides mais importantes do país, neste ano, por seu simbolismo, resistência e importância para a ciência brasileira. Em 1808 – ano tão importante para a história do Brasil -, a família real portuguesa desembarcou na então Colônia, para fugir das ameaças do exército de Napoleão. Tendo desembarcado na Bahia, em janeiro, no mês seguinte o Príncipe Regente D. João criou a Faculdade de Medicina da Bahia. Em novembro, a Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, teve ainda a importante participação de Correia Picanço, hoje aclamado como Patriarca da Medicina brasileira.

Na breve história brasileira, comparada à de muitos países, poucas as instituições são seculares. Por razões diversas, tendemos para o efêmero, o passageiro – é quase como se tivéssemos uma propensão para a brevidade em tudo que realizamos. Sabiamente, o Padre Antonio Vieira alerta que nós somos o que fazemos e que só existimos nos dias em que fazemos. Nos dias em que não fazemos apenas duramos.

Uma nação se sustenta e se fundamenta no saber, na ciência como elemento catalizador do desenvolvimento e bem-estar de seu povo. Durante sua longa e profícua trajetória, a Faculdade destacou-se na formação de nomes expoentes da medicina brasileira, médicos e médicas, professores, cientistas que em seu labor contribuíram para o avanço do país.

Como membro da Academia Nacional de Medicina – sodalício que celebrou seus 189 anos, em junho deste ano – sinto-me partícipe das iniciativas que rememoram feitos incríveis que servem de luzeiros para as novas gerações de médicos e médicas que ainda servirão este país. A Faculdade de Medicina mantém-se fiel aos princípios de seus fundadores, abraçada à inovação, à pesquisa e à extensão, com olhos voltados para a justiça social.

Vivendo, se aprende; mas o que se aprende mais, é só para fazer outras maiores perguntas, constatou Riobaldo, mítico personagem de Guimarães Rosa, em Grande Sertão: Veredas. Dois séculos e uma década de existência qualificam a Faculdade para fazer novas perguntas, mais instigantes e desafiadoras. Vida longa à Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro!

Natalino Salgado Filho

Médico, doutor em Nefrologia, ex-reitor da UFMA, membro da ANM, da AML, da AMM, Sobrames e do IHGMA