Blog

Academia Maranhense de Letras

Ewerton Neto

Cadeira 11


Um conto de fadas moderno

29 de junho de 2019

Um bom conto de fadas moderno
começa no celular

Como deve agir,  hoje em dia, uma moça bonita,  mas pobre, para casar com um príncipe? Antigamente bastava virar personagem de um conto de fadas,  mas tudo muda. O buraco (literalmente) é mais em baixo e muitas não resistem à tentação de apelar justamente para ele.

A Cinderela atual tem nome bonito, corpo bonito,  e nasceu em São Paulo. Pobre, nunca chegou a ser uma gata borralheira, no máximo chegou a  gata, como a tratavam  os rapazes suburbanos que a assediavam. Penou para sobreviver,  mas nunca arredou do sonho típico  das Cinderelas. As de antigamente, como se sabe, recorriam às fadas ou às bruxarias para acessar seus príncipes, as de hoje recorrem às redes sociais. Foi o  que fez nossa  Cinderela versão 2019.

Ela sabe que é fácil encontra-los dando sopa por aí, nos facebooks da vida. Hoje eles já não enfrentam dragões e  bruxas.  Pra quê? Muito mais fácil é correr atrás de uma bola, virar craque e ganhar muita grana. O poder que  os príncipes possuíam, que as casadoiras almejavam, e que vinha da beleza, da coroa e do sangue azul hoje vem dos euros que recebem. Grana, muita grana.

Pois foi com um príncipe desses que a cinderela 2019 sonhou. Ao invés de vestidos bonitos, como se exigiam das futuras princesas, os príncipes de hoje preferem que as candidatas dispensem as roupas. Quanto menos pano para cobrir, melhor! Ao invés de bilhetes, mensagens obscenas; ao invés de promessas de amor, vídeos de strip-tease.

Nossa  Cinderela mandou ver  e foi tão exuberante em sua  performance que o príncipe, sucumbindo aos seus encantos, mandou busca-la do outro lado do Atlântico . Claro, carruagens e corcéis são coisas do passado, príncipes de hoje preferem jatos transatlânticos para transportar suas escolhidas.

E foi só a partir desse ponto que o conto de fada virou  conto enfadado. A cinderela bem que fez a sua parte tentando salvar a lua de mel a que tinha o direito, vindo de tão longe. Queria a festa da meia-noite durando por toda a eternidade, mas não tardou  a descobrir que  o melhor não era reservado para ela. O príncipe, mais veloz que o jato que a trouxe, só queria mesmo uma rapidinha.

Só então a Cinderela se tocou, vendo seu sonho desmoronar e disse: “ Peraí, Príncipe ! Vai me deixar sozinha aqui neste hotel . Cadê nossa lua de mel ?” O príncipe , generoso como seus ‘parças ‘ insinuam,  deve ter se achado  dono de toda filantropia do mundo quando respondeu: “ A lua você olha pela janela Cinderela, já o mel eu mando trazer de Uber. Pode ficar tranquila” .

Não restava outra saída para Cinderela senão iniciar uma sessão de tapas com segundas e terceiras intenções. Vendo  que o príncipe,  mesmo com toda fama de cai cai,  era duro na queda  Cinderela subiu o tom da vingança: “  Você não passa de um príncipe  encantado de segunda! Nem pra me comer direito serve, garanto que o lobo mau comeu o chapeuzinho vermelho melhor do que você. Vou gritar e mentir pra todo mundo que você me estuprou.”

O resto,  a imprensa toda divulgou,  confirmando que é desse jeito que os contos de fada modernos terminam . Na delegacia. Não deve ser  por falta de príncipes, nem de cinderelas. Talvez, porque já não se fazem mais contos de fada como antigamente.

José Ewerton Neto é autor de O ABC bem humorado de São Luis

2a edição , somente na livraria AMEI, shopping São Luis