Blog

Academia Maranhense de Letras

Joaquim Haickel

Cadeira 37


Porque Eduardo Braide

14 de novembro de 2020

Faz alguns dias, ao entrar em um supermercado, fui abordado por uma senhora que me pediu que lhe explicasse porque apoio Eduardo Braide para prefeito de São Luís, e o mais curioso ainda em seu pedido, é que ela gostaria que eu também explicasse, o que a fazia simpatizar tanto com esse jovem político, a ponto de querer vê-lo dirigindo o destino de sua cidade e de certa forma, as vidas das pessoas que nela habitam.

Ajudei a senhora e seu marido a colocarem as compras em seu carro e conversei com eles.

O marido mostrou ser mais direto e enfático sobre sua escolha: “Ele é visivelmente diferente dos outros candidatos. Não vive fazendo propaganda de si mesmo, dizendo que fez isso, fez aquilo, que defendeu o consumidor… E também não tem por trás de si grandes grupos políticos como o do governador ou o da ex-governadora”.

Já a esposa, desconfiada até de seus próprios motivos para simpatizar com seu candidato, questionava e argumentava: “Todo político, durante a campanha eleitoral, parece um anjinho, mas durante o mandato, mostra que no lugar das asas de querubim, possui asas de morcego, como as do satanás!” E continuava: “Eu olho e ouço esse Braide e ele me parece realmente bem diferente dos outros, mas já me enganei tantas vezes que estou descrente. Será que eu vou me enganar de novo!?” Ao que o marido retrucou: “Eu não vou me arrepender de votar nele. Confio nele. Eu conheço gente!”

Tentei explicar ao simpático casal que o voto é sempre dado motivado por alguma emoção. Que eles precisavam saber qual a emoção que os motiva a votar em Braide.

A senhora respondeu na bucha: “Ele me passa confiança”. O marido dela completou: “Ele fala de forma simples, passa credibilidade…” No que sua esposa interrompeu, desconfiada: “Mas não é isso que os políticos fazem! Falam manso, abraçam e beijam criancinhas, aparentam uma coisa e são outra!?”

Tentei explicar pra ela que é assim que ocorre com todos, na vida. Que o eleitor precisa conhecer seu candidato para se enganar o menos possível com ele.

Dei-lhe o exemplo de meu pai. Ele fazia questão de se mostrar como realmente era. Simples, quase simplório, um igual entre os iguais do povo. Ele não queria que o vissem como ele não era e mesmo assim as classes mais “altas” não o aceitavam e até o repudiavam.

A senhora foi logo me cortando… “Mas o seu pai era político de um outro tipo e de um outro tempo. Sou de Viana e seu pai era amigo de Belarmino Gomes e Doca Bezerra, passava na minha rua jogando bombons pra crianças e naquela época eu achava aquilo ridículo!… Mais tarde eu fui entender que aquela era a forma apenas dele chamar atenção. A política dele era feita com os empregos que ele dava para as pessoas, as melhorias que ele trazia para os municípios. Já você era diferente dele, era mais de fazer discursos bonitos, defender ideias… Eu sei das coisas! Não sou tonta, como certas pessoas pensam!…” E fez um gesto com a boca apontando para o marido, que apenas sorriu levemente.

Tentei mostrar para aquela senhora que o que ela sentia em relação a Eduardo Braide era um misto de insegurança e esperança. Sentimentos de alguém que precisa acreditar que existe uma pessoa que pode bem dirigir nossa cidade e que este alguém é aquela pessoa, no caso Braide. Ele é a segurança e a esperança.

Perguntei-lhes novamente quais os sentimentos que os motivavam a votar em Eduardo Braide para prefeito de São Luís e a resposta foi, “simpatia, confiança, esperança e fé”.

A responsabilidade de Eduardo Braide para comigo é imensa. Não apenas para comigo, mas para com aquele casal e com todas as pessoas que vão votar nele, tendo esses mesmos sentimentos, e até mesmo para com aqueles eleitores e cidadãos que não sufragarem o seu nome no dia da eleição. Ele não poderá decepcioná-los, sob pena de se tornar igual aos outros políticos.

Acredito que nem eu nem ninguém irá se decepcionar com Braide.

PS: Nos últimos dias os demais candidatos e seus apoiadores resolveram baixar absurdamente o nível da campanha eleitoral, criando factóides e mentiras na tentativa de superarem um ao outro, o que demonstra estarem mais preocupados com a eleição de que com o respeito que precisam ter para com a população.

Joaquim Haickel

Membro das Academias Maranhense e Imperatrizense de Letras e do IHGM