Blog

Academia Maranhense de Letras

Benedito Buzar

Cadeira beneditobuzar


Os senadores do Maranhão

9 de dezembro de 2017

Se por um lado, há o convencimento de que o desejo do governador será seguido e cumprido por seus correligionários políticos e dirigentes partidários, por outro lado, há a crença de que o eleitorado maranhense não acatará e não tomará conhecimento de tão impensada empreitada política”

De todas as notícias emanadas do Palácio dos Leões, desde que o governador Flávio Dino assumiu o Governo do Maranhão, nenhuma gritou mais negativamente junto à opinião pública, do que o encontro do PTC, em que o chefe do Executivo bradou em alto e bom som ser o deputado federal Weverton Rocha o primeiro pré-candidato ao Senado na chapa majoritária e de que terá o seu irrestrito apoio, tanto que vai trabalhar com afinco para elegê-lo.

Quem leu a notícia, de forte teor impactante e surpreendente, custou acreditar no que a mídia impressa e eletrônica publicou. Muita gente, para ter certeza da informação, recorreu a um expediente que funciona como remédio infalível para dissipar dúvidas: ler e reler a notícia várias vezes até se convencer ou não da sua veiculação.

Foi assim e depois de reiteradas leituras, que os céticos se certificaram de que não era balela, fantasia ou sonho de uma noite de verão, mas realmente verdadeira a vontade do governador de ver Weverton eleito senador pelo Maranhão.

Se por um lado, há o convencimento de que o desejo do governador será seguido e cumprido por seus correligionários políticos e dirigentes partidários, por outro lado, há a crença de que o eleitorado maranhense não acatará e não tomará conhecimento de tão impensada empreitada política, pois ao longo da campanha eleitoral o povo saberá através dos programas patrocinados pela Justiça Eleitoral e pela palavra dos candidatos que vão concorrer ao Senado, quem é a figura sinistra que pretende nos representar na mais alta Casa do Congresso Nacional, onde pontificaram as mais ilustres, idôneas e preparadas personalidades da nossa vida pública e ali deixaram registrados em letras bem graúdas o sentimento, as propostas e as reivindicações do povo maranhense.

Nesse particular, é bom saber que o Maranhão, tanto na Monarquia, como na República, sempre mandou para o Senado o que se tinha de melhor como expressão da nossa vida política. Poucos os que não corresponderam às expectativas do povo maranhense. Não à toa, as nossas lideranças políticas tiveram o cuidado de indicar para receber o sufrágio popular, candidatos a senador que, pela qualificação intelectual, profissional e política, cumpriram tarefas de extrema importância e exerceram o mandato com dignidade e altivez.

Se tomarmos por base o período republicano, do seu advento aos dias de hoje, veremos que nunca deixamos de ocupar um lugar de destaque no Senado Federal, haja vista a presença, salvo poucas e honrosas exceções, de homens de elevada envergadura moral e dotados de reconhecidos valores culturais. Na Velha e na Nova República, os senadores maranhenses souberam honrar as nossas tradições literárias e políticas, daí porque seus nomes ficaram marcados e perenizados nos Anais do Congresso Nacional.

Senadores da Velha República

Dos senadores, eleitos na Velha República, vale lembrar nomes do quilate de João Pedro Belfort Vieira, bacharel em Direito, governou o Piauí, membro do Supremo Tribunal Federal, catedrático da Faculdade de Direito do Rio de Janeiro e Procurador Geral da República; Augusto Olímpio Gomes de Castro, advogado, promotor público, deputado provincial, jornalista, presidente da Câmara Geral do Império, presidente da Província do Maranhão, vice-governador do Estado do Maranhão; Benedito Leite, promotor, magistrado, jornalista governador do Estado do Maranhão, deputado constituinte estadual, presidente do Congresso Maranhense, deputado federal; Manuel Inácio Belfort Vieira, militar, chefe do Estado Maior da Marinha, vice-governador do Amazonas, governador do Maranhão; Urbano Santos, promotor, deputado estadual e federal, vice-presidente da Câmara de Deputados, governador do Maranhão, vice-presidente e presidente interino da República, ministro da Justiça; Alexandre Colares Moreira Junior, diretor do Banco do Maranhão, presidente da Caixa Econômica Federal, prefeito de São Luís, vice-governador e governador do Maranhão; José Eusébio de Carvalho Oliveira, procurador geral do Estado, deputado estadual e federal, vice-presidente da Assembleia Legislativa; Fernando Mendes de Almeida, jurista, advogado, jornalista, professor de Direito da Faculdade do Rio de Janeiro, redator e diretor do Jornal do Brasil; Manoel Bernardino Costa Rodrigues, médico, vereador à Câmara de São Luís, deputado federal, vice-presidente da Província do Maranhão, presidente da Assembleia Estadual Constituinte; Godofredo Mendes Viana, jornalista, escritor, fundador da Academia Maranhense de Letras, deputado federal, governador do Maranhão, promotor público e juiz federal; , Francisco da Cunha Machado, jornalista, magistrado, vice-governador e governador interino do Maranhão; José Maria Magalhães de Almeida, oficial da Marinha, deputado federal, governador do Maranhão; Clodomir Cardoso, jurista, deputado estadual, federal e constituinte, prefeito de São Luís, interventor federal no Maranhão e membro da Academia Maranhense de Letras; Genésio Rego, jornalista, médico, deputado estadual e federal, presidente da Assembleia Legislativa e vice-governador do Estado.

Senadores da Nova República

Com a redemocratização do país, em 1946, e a volta das eleições, o Maranhão continuou a mandar para representá-lo no Senado, figuras renomadas e do porte de José Neiva de Sousa, advogado, magistrado e deputado constituinte federal; Vitorino Freire, secretário geral do governo do Maranhão, chefe de Gabinete do ministro de Viação e Obras Públicas, Mendonça Lima, deputado federal constituinte; Antônio Alexandre Bayma, engenheiro, prefeito e vereador à Câmara Municipal de São Luís; Sebastião Archer da Silva, industrial, vereador e prefeito de Codó, deputado estadual e governador do Maranhão; Eugênio Barros, industrial, prefeito de Caxias e governador do Maranhão; Clodomir Teixeira Millet, médico, jornalista, deputado federal; Alexandre Alves Costa, engenheiro, prefeito de São Luís, secretário do Interior, Justiça e Segurança, vice-governador do Estado e deputado federal; José Sarney Costa, poeta, jornalista, membro das Academias Brasileira e Maranhense de Letras, deputado federal, governador do Estado e criador do Maranhão Novo, presidente da República e do Senado Federal; Henrique de La Rocque Almeida, advogado, jurista, deputado federal e ministro do Tribunal de Contas da União; João Castelo Ribeiro Gonçalves, advogado, bancário, presidente do Banco da Amazônia, deputado federal, governador do Maranhão e prefeito de São Luís; Epitácio Cafeteira, bancário, prefeito de São Luís, deputado federal e governador do Maranhão; Edison Lobão, advogado, jornalista, deputado federal e governador do Maranhão; Roseana Sarney Murad, socióloga, funcionária pública federal, deputada federal, governadora do Maranhão; João Alberto de Sousa, economista, bancário, deputado estadual, prefeito de Bacabal, vice-governador e governador do Maranhão.

E agora, Weverton?

Com esse fantástico elenco de figuras humanas, o Maranhão, ao longo do regime republicano, teve participação ativa e brilhante na cena pública brasileira, com propostas no plenário e projetos nas comissões técnicas, que engrandeceram o Poder Legislativo e fortaleceram as instituições democráticas de nosso país. Antes de chegar ao Senado, a grande maioria exerceu o cargo de governador do Estado. Eram, portanto, políticos preparados, experimentados e habilitados para o cumprimento do mandato de oito anos, virtudes essas que faltam a Weverton Rocha, cuja vida política é marcada pelo sinete da ficha suja e investigado no Supremo Tribunal Federal em inquéritos por crime contra a administração pública.

Pregoeiros da Fatalidade

O mundo político maranhense sabe que o estado de saúde do deputado Humberto Coutinho é delicadíssimo, por isso requer cuidados especiais para sobreviver.

Mas, na Assembleia Legislativa, um grupo de deputados, desrespeitando a dor e o sofrimento da família do parlamentar caxiense, já se antecipou à própria vontade divina e preparou um projeto de resolução para não haver vacância no comando do Poder Legislativo.

Essa precipitada providência parlamentar, traz no seu bojo uma inequívoca verdade: os nossos deputados estaduais, salvo poucas e honrosas exceções, ainda carecem de maturidade política e de respeito ao sofrimento humano.

Que Justiça é essa?

A população de Bacabal vive até hoje dias de angústia por não saber quem assumirá em definitivo o cargo de prefeito do município.

Esse estado de ansiedade e de revolta é atribuído em grande parte ao Poder Judiciário, que muda quase diariamente de posição com relação à eleição de um candidato inabilitado política e juridicamente para o exercício de um cargo eletivo.

O processo atinente ao prefeito de Bacabal, em dois meses, já passou pelas mãos de cinco desembargadores. Cada magistrado emite um parecer diferente, o que contribui para o estabelecimento do caos no município.

Atitude exemplar

O Brasil, em matéria de moralidade e de honestidade, vive um momento de extrema devassidão, que faz lembrar o grande Rui Barbosa que dizia que o brasileiro tinha vergonha de ser honesto.

Outro dia, o juiz Oliveira Paula, para quem não sabe, é irmão do grande humorista Chico Anísio, teve a coragem e a grandeza de abdicar de alguns penduricalhos atrelados ao seu salário de magistrado.

Pois bem, em vez de ser elogiado pela prática de um gesto exemplar e edificante, ao contrário, pegou paulada de todo o tipo.