Blog

Academia Maranhense de Letras

Jomar Moraes

Cadeira 10


Marcos históricos de São Luís – I

15 de julho de 2015

Em termos muito gerais alinho hoje uma série de datas marcantes na História de São Luís, a contar do início de sua colonização. Servirão esses tópicos rememorativos e de alguma valia para estes nossos tempos de quase completa amnesia em torno de nosso passado, fato que leva ao desconhecimento parcial do presente e à falta de perspectivas quanto ao nosso futuro.

Século XIV – 1539 – Expedição de João de Barros, primeiro donatário do Maranhão, parte de Lisboa rumo à capitania doada pelo rei Dom João III ao célebre gramático, humanista e feitor da Casa das Índias. Composta de grande frota, sob o comando de Aires da Cunha, que se associou a Fernão d’Álvares de Andrade e ao autor das Décadas. Ayres da Cunha e sua frota naufragaram nas proximidades da Ilha do Maranhão, desastre que levou o grande humanista português João de Barros a escrever este conhecido lamento sobre o insucesso desse primeiro esforço de colonização: “morto me deixou e sem proveito algum.”

1554 – Expedição de Luís de Melo da Silva tenta novamente chegar ao Maranhão, porém também naufraga.

1570 – Luís de Melo da Silva, que fora à Índia na esperança de obter recursos com os quais colonizar o Maranhão, morre em sua volta a Portugal.

1594 – Naufrágio do capitão francês Jacques Riffault nas proximidades da Ilha do Maranhão.

Século XVII – 1612 (19 de março) – Expedição sob o comando de Daniel de La Touche, Senhor de La Ravardière, parte do porto de Cancalle, formada pelas naus Régente, comandada por Francois de Razilly, Charlote comandada pelo barão de Sancy e Saint’Anne por Claude de Razilly.

1612 (26 de julho) – Chegada da expedição de La Ravardière ao Maranhão.

1612 (8 de setembro) – Solenidade de Fundação de São Luís.

1614 (26 de outubro) – Portugueses desembarcam em Guaxenduba.

1614 (19 de novembro) – Batalha de Guaxenduba. Apesar de numericamente inferiores, as forças portuguesas vencem os franceses.

1615 (4 de novembro) – Assinatura do Auto de Posse da Fortaleza no Quartel de São Francisco, também chamado Forte do Sardinha. Assinam o documento, lavrado por Luís Muniz, escrivão da Fazenda, pela ordem em que nele figuram: Alexandre de Moura, Paio Coelho de Carvalho, Diogo de Campos Moreno, Hieronimo Fragoso d’Albuquerque, João Cavalcanti d’Albuquerque, Francisco de Frias de Mesquita, Padre Manuel Gomes, da Companhia de Jesus, Padre Diogo Nunes, da Companhia de Jesus, Frei Cosmo d’Anunciação de Nossa Senhora do Carmo, Álvaro Neto, André Leitão d’Abreu, Armandus Carmelia, Henrique Afonso Pereira, Frei Ornatus, Manuel Figueira de Mendonça, Gaspar Dias, Gaspar d’Andrade Bezerra, Pero Mousinho e Manuel da Cunha d’Andrade.

1618 – Primeira saída dos jesuítas.

1619 – Chegada de casais da Ilha de Açores e do interior de Portugal (continente) para povoar São Luís, vindos na expedição de Jorge de Lemos Betancor, cuja nau capitânia era comandada por Simão Estácio da Silveira.

– Fundação da Câmara Municipal de São Luís, que teve o capitão Simão Estácio da Silveira por seu primeiro presidente.

A 6 de maio, a 9 e a 10 de dezembro são expedidas ao rei Dom Filipe III (II de Portugal), cartas de Jorge de Lemos Bentacor, do capitão-mor Diogo da Costa Machado e dos camaristas de São Luís, respectivamente, enviando as primeiras notícias sobre a nova conquista do Maranhão e pedindo providências em socorro de suas muitas necessidades.

1621 – Criação do Estado do Maranhão, compreendendo as capitanias régias do Ceará, Maranhão e Grão-Pará.

– Fundação da primeira Matriz, Igreja de Nossa Senhora da Vitória.

1622 – Retorno dos jesuítas com o padre Luís Figueira.

1624 – Edição em Lisboa, na oficina de Geraldo da Vinha, do livro Relação sumária das cousas do Maranhão, “dirigida aos pobres deste Reino de Portugal”, de Simão Estácio da Silveira, obra calorosamente encomiástica, na qual o autor escreveu esta frase já tornada célebre: “Eu me resolvo, que esta é a melhor terra do mundo, donde os naturais são muito fortes, e vivem muitos anos, e consta-nos que, do que correram os portugueses, o melhor é o Brasil, e o Maranhão é Brasil melhor, e mais perto de Portugal, que todos os outros portos daquele estado, em derrota muito fácil à navegação donde se há de ir em vinte dias ordinariamente”.

Em agosto chega a São Luís Frei Cristovão de Lisboa, na condição de qualificador do Santo Ofício. Foi ele o fundador da Custódia do Maranhão, vinculada à Recoleção de Santo Antônio de Lisboa, e suposto autor da História dos animais e árvores do Maranhão, obra muito valiosa, na qual haveria a participação de autor francês, e que somente foi pela primeira vez publicada em Portugal no ano e 1967.

1626 – Chega a São Luís o primeiro governador e capitão-general do estado de Maranhão, Francisco Coelho de Carvalho.

1641 – (25 de novembro) – Invasão holandesa, composta de dezoito naus e dois mil homens comandados pelo almirante João Cornelles Lichthart, que mediante artifícios e engodos domina a fraca resistência do velho governador Bento Maciel Parente, levado preso pelos invasores.

1644 – Expulsão dos holandeses, um dos episódios de maior importância nas lutas nativistas do Maranhão, sob o comando de Antônio Muniz Barreiros, secundado por Antônio Teixeira de Melo. Dessa invasão resta, para a memória de feitos tão valorosos, o monumento do Outeiro da Cruz.