Blog

Academia Maranhense de Letras

Carlos de Lima

Cadeira carlosdelima


Lembrança de Aluísio Azevedo

24 de agosto de 2014

No ano do 132o aniversário da publicação, em São Luís, do romance O mulato, marco do Naturalismo no Brasil, seu autor, o escritor Aluísio Azevedo, recebe de seus conterrâneos uma homenagem e uma desfeita.

A primeira reedição maranhense do livro, promovida e lançada há uma semana pela Academia Maranhense de Letras, representa, na verdade, a segunda homenagem póstuma do povo maranhense ao seu romancista mais importante e um dos autores mais populares do Brasil.

Por estranho que pareça, desde o ruidoso lançamento de O mulato, em 1881, fato que despertou a ira da sociedade escravocrata e conservadora de São Luís, somente uma vez Aluísio Azevedo recebeu de sua província demonstração explícita de apreço.

Foi quando, seis anos após o seu falecimento, a 21 de janeiro de 1913, em Buenos Aires, onde servia como diplomata à legação brasileira, o governo maranhense, em atenção à campanha liderada pelo escritor Coelho Neto, patrocinou o traslado dos seus restos mortais para o Cemitério do Gavião.

A boa acolhida do livro na capital da República, que incluiu a saudação entusiástica de Urbano Duarte – “Romancista ao Norte!” -, não impediu que, por anos seguidos, a elite são-luisense continuasse a remoer as mágoas daqueles tempos de confronto, ao ponto do escritor jamais sentir-se motivado a retornar à sua terra, que deixou, definitivamente, meses depois da publicação do romance.

A oportuna reedição da obra, organizada com rigor técnico e sensibilidade pelo escritor Jomar Moraes, poderia, desse modo, simbolizar a reconciliação da cidade com o seu grande ficcionista, que tanto depreciou.

O símbolo, porém, perde o sentido de tributo coletivo, quando, ao tempo em que celebra a reedição histórica do livro, a sociedade maranhense consuma a destruição de parte da memória do escritor.

Pois que se trata de inominável agressão à memória de Aluísio Azevedo, à história do Maranhão e do Brasil a semidestruição, sob a indiferença quase generalizada da população, do casarão de azulejos da Rua do Sol onde nasceu e viveu o escritor e em cujo mirante ele escreveu justamente O mulato.

Sem a mínima reação das autoridades e da sociedade, à exceção da Academia Maranhense de Letras, que denunciou o crime de lesa-cultura, perpetrou-se a progressiva destruição da estrutura interna do imóvel, para transformá-lo, como planejava o seu proprietário, em estacionamento de automóveis.

Na densa biografia de Aluísio Azevedo que publicou em 1988 (Aluísio Azevedo, vida e obra, Instituto Nacional do Livro, obra reeditada no ano passado pela Garamond), o escritor e diplomata francês Jean-Yves Mérian revive, com riqueza de detalhes, a polêmica causada em São Luís pela publicação de O mulato.

O evento, observa, foi antecedido de impressionante campanha publicitária, que incluiu cartazes espalhados pela cidade, uma ópera escrita por Antonio Rayol denominada O mulato, anúncios e teasers nos jornais, como nas modernas campanhas de comunicação. Personagens do livro eram identificados nesses anúncios com figuras reais da cidade.

Mais do que mostrar, afirma Mérian, Aluísio “denuncia e fustiga a vida medíocre, o atraso cultural, a falsa religiosidade, os preconceitos raciais do Maranhão”. Insiste ainda mais sobre os costumes atrasados, a grosseria das brincadeiras e distrações, a estupidez das superstições.

Na edição original de 1881, há várias passagens insultuosas ao Maranhão, que o autor suprime na de 1889, base da atual reedição.

Ferida em seus brios, a sociedade reagiu. Ataques ao livro e ao autor foram desferidos com penas mergulhadas em ácido sulfúrico, os quais provocaram em Aluísio ressentimentos que conservou por toda a vida.

Num texto de 24 de fevereiro de 1883, dois anos depois do lançamento do livro, Aluísio rompe de uma vez por todas com a sua terra, esse “agregado de nulidades pretensiosas”, à qual devota “todo o nosso desprezo e todo o nosso esquecimento”.

Em seus últimos anos de vida, o escritor teria feito as pazes com o Maranhão, penitenciando-se das palavras ofensivas que usara contra sua província. A escravidão fora abolida, a República, proclamada, o país mudara, e, com ele, a sua província.

Porém, a destruição da casa em que viveu com os pais e os irmãos, e onde, aos 23 anos, escreveu um livro que sobrevive como “documento e monumento”, nas palavras de Jomar Moraes, certamente o faz hoje revirar-se no túmulo.

Ao reeditar O mulato pela primeira vez desde o seu perturbador lançamento 132 anos atrás, a Academia Maranhense de Letras rende a Aluísio Azevedo a homenagem que a sociedade maranhense coletivamente lhe nega quando permite a morte do casarão que o viu nascer e criar uma obra de arte perene e transformadora.

Quem sabe, a releitura dessa trágica estória de amor entre o mulato Raimundo e a branca Ana Rosa, que se passa nos anos finais da abolição e do Império, nos ajude a compreender melhor o que fomos, com nossas grandezas e misérias, e a definir o que somos e seremos, com nossos eternos sonhos de futuro e as sempre repisadas glórias do passado.

O que importa, afinal, é que as homenagens, as desfeitas e os ressentimentos passam. Aluísio Azevedo e O Mulato permanecem.

Email: antoniocglima@uiol.com.br