Blog

Academia Maranhense de Letras

Benedito Buzar

Cadeira 13


Intendentes e Prefeitos de São Luis

22 de janeiro de 2012

Jornal: O Estado do Maranhão
22 de janeiro de 2012 – Domingo
Por:  Roda Viva - Benedito Buzar

Neste ano, quando se comemora os quatrocentos de fundação de São Luís, capital do Estado do Maranhão, uma pergunta explode no ar: quantas pessoas administraram esta cidade, tendo como marco temporal o século XX?

Resposta: nada menos do que 81 figuras humanas, a maioria políticos, médicos, engenheiros, militares e advogados, governaram São Luís no período de 1900 a 2012.

De 1900 até 1921, os gestores que assumiram as rédeas da capital maranhense eram denominados de intendentes, por força da Carta Magna de 1892, que determinava que as administrações municipais fossem exercidas por intendentes encarregados de executar as resoluções das Câmaras de Vereadores.

Mandava ainda a Constituição de 1892 que os intendentes, em vez de nomeados, chegassem ao poder ungidos pelo voto. Em 24 de fevereiro de 1919, contudo, essa regra foi alterada: os intendentes passaram a ser titulados de prefeitos, não sendo mais eleitos, mas nomeados pelos governantes estaduais.

Em abril de 1965, nova mudança: o Congresso Nacional aprova Proposta de Emenda Constitucional, da autoria do deputado Epitácio Cafeteira, que restaura a autonomia político-administrativa das prefeituras das capitais. Assim, São Luís voltava a eleger o seu prefeito, o que se deu nas eleições de 3 de outubro de 1965, com a vitória do candidato Cafeteira.

Com a instalação do regime militar, outra reviravolta: por efeito do Ato Institucional nº 3, de 5 de fevereiro de 1966, os prefeitos das capitais passaram novamente a ser nomeados pelos governadores estaduais.

Dentre os intendentes e prefeitos que galgaram a municipalidade de São Luís, apenas 13 foram submetidos ao processo eleitoral, isto é, assumiram o cargo levados pelo voto popular: 7 intendentes e 6 prefeitos.

No quadro dos intendentes eleitos aparecem: Alexandre Collares Moreira Junior, Nuno Álvares de Pinho, Mariano Lisboa Neto, Clodomir Cardoso e José Luso Torres.

Da galeria dos prefeitos eleitos fazem parte: Epitácio Afonso Cafeteira, Maria Gardênia Ribeiro Gonçalves, Jackson Kepler Lago, Tadeu Palácio e João Castelo Ribeiro Gonçalves.

No mapa geral dos que chegaram ao Palácio La Ravardiére, por atos de nomeação de presidentes, governadores e interventores estaduais, figuram os gestores Raimundo Gonçalves da Silva, Antônio Brício de Araújo, Antônio Lopes da Cunha, Jayme Tavares, Euclides Zenóbio da Costa, Basílio Torreão Franco de Sá, Lino Rodrigues Machado, Antônio Carlos Teixeira Leite, Carlos dos Reis Macieira, João Manuel Tinoco, Raimundo Frazão Cantanhede, João Inácio Martins, Demerval Rosa, Alcides Jansen Pereira, Pedro José Oliveira, Antônio Alexandre Bayma, Manoel Vieira Azevedo, José Otacílio Saboya, Clodoaldo Cardoso, Pedro Neiva de Santana, Tancredo Matos, Edson Teixeira Neto, Tácito Caldas, Alexandre Costa, Edson Brandão, Otávio Passos, Eduardo Viana Pereira, Carlos Vasconcelos, José de Ribamar Waquim, Emiliano Macieira, Ruy Mesquita, Djard Martins, Vicente Fialho, José Ateniense Libério, Haroldo Tavares, Adolfo Von Randow, Edmilson dos Reis Duarte, Antônio Bayma Junior, Lereno Nunes Neto e Roberto de Pádua Macieira.

Entre eleitos e nomeados, 8 ocuparam o cargo mais de uma vez: Alexandre Collares Moreira Junior, Ivar Saldanha e Jackson Lago, em três oportunidades; Antônio Pires Ferreira, José Burnett, Antônio Costa Rodrigues, Mauro Fecury e Tadeu Palácio, duas vezes.

Ao longo desse tempo, 5 presidentes da Câmara Municipal exerceram interinamente a prefeitura: Afonso Giffening de Matos, Evandro Bessa de Lima, Lia Varela( em dois momentos), Manoel Ribeiro e Deco Soares.

Seis vice-prefeitos substituíram os titulares: Afonso Henrique de Pinho, Carlos Augusto Franco de Sá, Carlos Magno Duque Bacelar, Abdelaziz Abud Santos, Domingos Dutra e Tadeu Palácio.

Cinco chefes de gabinetes ocuparam interinamente o cargo: Turíbio Soares da Silva Santos, Wilson Rebelo, Erasmo Dias, Orfila Cardoso Nunes e Mauro Bezerra.

Membros das famílias Macieira e Tavares administraram por mais de uma vez a cidade, todos nomeados. Da família Macieira, os irmãos Carlos (médico), de janeiro a junho de 1931; Emiliano (engenheiro), de janeiro de 1958 a 31 de maio de 1959; e o sobrinho Roberto (economista), de 27 de março de 1980 a 15 de março de 1983.

Da família Tavares, os engenheiros Jayme (pai) e Haroldo (filho). O primeiro, de março de 1926 a fevereiro de 1930; o segundo, de março 1971 a março de 1975. Pedro Neiva de Santana, genro de Jayme e cunhado de Haroldo, foi o prefeito que demorou mais tempo no cargo: de novembro de 1937 a abril de 1945.

Os homens tiveram absoluta predominância na gestão dos negócios públicos de São Luís. Apenas três mulheres chegaram ao Palácio La Ravardière: Lia Varela (interina), Maria Gardênia Ribeiro Gonçalves, de janeiro de 1986 a dezembro de 1988, e Conceição de Maria Andrade, de março de 1993 a dezembro de 1996, ambas eleitas.