Blog

Academia Maranhense de Letras

Joaquim Haickel

Cadeira 37


Ebenezer Scrooge

26 de dezembro de 2020

Charles Dickens é considerado um dos maiores escritores de todos os tempos, pois contribuiu decisivamente para a introdução da crítica social na literatura inglesa, durante a era vitoriana.

Graças a minha inconveniente dislexia, não conheci este extraordinário narrador nas páginas dos livros, mas através das telas dos cinemas e da televisão.

Recentemente assisti a uma nova versão de “Oliver Twist”, realizada pela BBC, e motivado por ela, fui rever um dos filmes que marcaram a minha infância: “Um conto de natal”.

Essa obra marcou decisivamente a minha vida, tanto que escolhi seu personagem principal, Ebenezer Scrooge, como modelo de como não ser.

Sobre ele, a primeira coisa que posso dizer é que é tão importante que serviu de inspiração para Carl Barks criar o célebre “Tio Patinhas”, imortalizado nas histórias em quadrinhos e nos desenhos animados da Disney.

Logo no início da história, Scrooge demonstra uma frieza desmedida no coração, além de ser ganancioso e avarento. Indiferente ao espírito do Natal e tudo que se relaciona com alegria e felicidade, Ebenezer é descrito por Dickens como tendo lábios azuis e nariz pontiagudo, perfeitamente retratado em “Os fantasmas de Scrooge”, filme de 2009, em que Jim Carrey interpreta o personagem.

Após a morte do seu sócio, Jacob Marley, ele jamais alterou a razão social da empresa “Scrooge & Marley”, só para não ter que mudar o letreiro na fachada do prédio.

Sete anos mais tarde, na véspera do Natal, enquanto trabalha em seu escritório, Scrooge despacha grosseiramente seu sobrinho, que veio convidá-lo para a ceia.

Ele é um homem muito rico, mas insensível, rude e autoritário, diz ao seu assistente que não contribui para as doações dos voluntários que lhe solicitam dinheiro para os pobres e indigentes, e como sempre não é gentil com ele.

Ao voltar para casa naquela noite, Ebenezer observa algo insólito – o seu falecido sócio, Jacob Marley, surge no meio do quarto, aprisionado sob portentosas correntes. O fantasma fala-lhe sobre o castigo que agora o aflige pela avareza que apresentou em vida e adverte Scrooge de que lhe está reservado um destino ainda mais terrível, caso não mude seu comportamento avarento, grosseiro e indigno. O defunto avisa Scrooge que naquela noite ele será visitado por mais três fantasmas que tentarão modificar seu espírito ranheta.

Uma hora mais tarde surge o primeiro. É o fantasma do passado que lhe fornece lembranças da pacata cidade da sua infância. Mostra-lhe a noite de Natal gloriosa com a sua irmã, bons tempos com amigos, e finalmente a separação da sua noiva, que o deixou por causa do seu amor desmedido pelo dinheiro.

O segundo fantasma proporciona-lhe uma visão da noite de Natal presente: pobres, mas felizes, ele vê a casa de seus empregados. Lá Scrooge observa o jovem Tim, o filho doente daquele assistente que ele havia maltratado. O fantasma informa-o de que em breve Tim morrerá.

O último fantasma é o do futuro, que lhe mostra a casa do empregado depois do enterro do pequeno Tim. Mais adiante ele observa a sua própria morte, muito humilhante, sozinho e detestado por todos.

Por fim, Scrooge desperta e decide não desperdiçar aquele Natal. Dali por diante ele vai modificar toda sua vida e tornar-se uma pessoa amável, sensível e generosa.

Se por um lado eu sempre busquei ser diferente de Scrooge, por outro, gostaria muito que a história de algumas figuras, que teimam em imitar esse personagem, tivesse pelo menos o mesmo final, repleto de redenção e felicidade. Esse é o presente que eu desejo neste Natal.

Joaquim Haickel

Membro das Academias Maranhense e Imperatrizense de Letras e do IHGM