Blog

Academia Maranhense de Letras

Ewerton Neto

Cadeira 11


A BELEZA MORRE

11 de julho de 2020

(réquiem para Marta Rocha)

A beleza vive. A beleza morre. A beleza que morreu desta vez chamava-se Marta Rocha.Lembro-me de quando eu tinha uns cinco anos de idade, em Guimarães, onde minha família residida. Na ocasião meu avô, José Ribamar Ewerton, me fez decorar uma fala de sua autoria. Satisfeito com meu rápido aprendizado, mandava me chamar para que a repetisse para os amigos, quando acontecia de se reunirem num armazém defronte à minha casa. Ele me estimulava: – Vamos lá, rapaz, mostra para essa turma que você já sabe dizer o nome completo. Compenetrado, eu repetia tintim por tintim o pequeno discurso que ele havia me ensinado e falava: “Meu nome é José Ribamar Ewerton Neto, sou moço garoto da miss Brasil, Maria José Cardoso, minha querida noiva”. Eles gargalhavam, encenavam me cumprimentar como a um adulto e diziam: “Zé Ewerton, esse moço tem futuro, e já começa pela Miss Brasil.”Mais tarde tomei consciência, através de revistas como O Cruzeiro, de que Maria José Cardoso “ a minha noiva” , era sim, muito bonita e , além disso, havia ganho o concurso de Miss Brasil em 1956. Mas a beleza, a beleza de fato, não era ela, mas Marta Rocha, que fora miss Brasil antes dela e cujos dons de formosura capitalizaram o entusiasmo dos anos vindouros a ponto de seu nome se tornar um sinônimo de beleza. Confesso que para meu gosto pessoal Marta Rocha era, sim, bonita, mas não abarcava toda a gama de suscetibilidades estéticas trazidas, a seguir, por certas atrizes como Sofia Loren, de quem me tornei ardoroso fã tão logo nos mudamos para a capital e vim a conhecer o cinema. Era fatal que Marta, como ideário de beleza, fosse sobrepujada por aquelas, cujas imagens se movimentando nas telas dos cinemas incorporavam uma dose adicional de erotismo, sedução, e amor platônico, que uma fotografia solitária era incapaz de sugerir. Dessa forma, Marta Rocha nunca foi páreo para a italiana, que me fazia sair de casa célere em direção aos seus filmes, assistidos muitas vezes à custa de burlar a idade mínima exigida. Em paralelo, mesmo envelhecendo, Marta Rocha continuou por muito tempo como símbolo da plenitude da beleza brasileira. Afinal era possuidora da eterna beleza, como disse a seu respeito, Vera Fisher, outra bela, em entrevista à rede Globo no dia de sua definitiva ida. Ao conceber o título desta crônica em homenagem a essa mulher que obteve, como nenhuma outra, no Brasil, o máximo que pode ser concedido à transitoriedade da beleza física, talvez haja me inspirado no título do romance do japonês, premio Nobel, Yasunari Kawabata intitulado Beleza e Tristeza, no qual o narrador ao mesmo tempo em que se rende ao esplendor da beleza, traduz-lhe a precariedade diante da derrocada humana Como disse Stendhal “A beleza é apenas a promessa da felicidade”. Infelizmente, é ceifada pela morte também, sendo, no entanto, suficiente para ter sido capaz de sobrepuja-la que, exuberantemente, nos traga, como agora, toda essa conjugação de apogeu, melancolia e saudade.