Blog

Academia Maranhense de Letras

Natalino Salgado

Cadeira 16


Em memória dos balaios

13 de Janeiro de 2018

Gravura de J. Laurens, datada de 1851-1861, registra um dos momentos mais emblemáticos do Maranhão, quiçá do Brasil, conhecido como a Balaiada. Nela, dois negros tecem cestos de palha – os balaios – sentados no chão, vestidos de forma quase idêntica. A gravura é famosa e ilustra uma faceta do movimento liderado por Manuel Francisco dos Anjos, cujo ofício era fazer balaios e que somou esforços com a revolta de camponeses, negros escravos, fugitivos e excluídos de diversas sortes, a partir de uma grande insatisfação com os rumos que a política tomava naquela época, no Maranhão. Essa é apenas uma […]


José Carlos Sousa Silva

Cadeira 33


O mês de muitos sonhos: janeiro

13 de Janeiro de 2018

O ser humano sempre muito sonhou. Esta é uma realidade que sempre esteve dentro dele e continua até o seu último minuto de vida. O povo brasileiro é, sem dúvida, muito sonhador. Assim, começou a construir o Brasil e permanece na luta contínua para que ele fique a cada dia melhor. Nesse sentido, os seus sonhos sempre foram muitos e se concretizaram. Todos nós sonhadores por dias melhores devemos eleger o mês de janeiro como o mais adequado para abrigar a maior quantidade de sonhos e selecionar os melhores. Desse modo, o Brasil sairá do atraso em que se encontra […]


Ceres Costa Fernandes

Cadeira 39


De peixes e solidão

13 de Janeiro de 2018

Quanta companhia nos faz um peixe? Nenhuma, dirão alguns; dentro d’água, nadando, traz tranquilidade, diriam outros; bastante mais do que a presença do meu marido, dirá a mulher desamada. Alguns glutões materialistas – conheço alguns – podem preferir a companhia efêmera, enquanto dura uma degustação, do peixe frito com arroz de cuxá. A resposta é complexa, envolve solidão, coisa fina e dorida. Difícil de lidar. E, então? A propósito de que esta pergunta despropositada? Veio da leitura de umas cartas… Alguém ainda escreve cartas, criatura? Nem os Correios se animam a entregá-las mais… Sabem aquela propaganda antiga que dizia: Os […]


Joaquim Haickel

Cadeira 37


Viva! A vida é uma festa

13 de Janeiro de 2018

O que faria um homem de 58 anos remarcar todos os seus compromissos de uma tarde de quinta-feira para ir assistir a um filme musical infantil em animação, e ainda por cima no insuportável sistema 3D!? Os mais atentos poderiam pensar que isso seria coisa de neto, pois neto faz avô fazer coisas que até Deus duvida! Mas não foi neto. Fui assistir a esse filme porque minha filha pediu que eu fosse, e ela já fez 29 anos em dezembro passado. Mas você se perguntaria o porquê de uma mulher pedir ao pai que vá assistir a um filme […]


Benedito Buzar

Cadeira 13


1968: O AI-5 e Manifesto De Sarney

13 de Janeiro de 2018

Nesse clima de terror, Sarney, depois de ouvir amigos e políticos que o cercavam com o sentimento da solidariedade, decidiu lançar um manifesto ao povo maranhense, para mostrar o drama a ele submetido.  No final de 1968, o Brasil viveu uma grave crise institucional, pelo fato de a Câmara Federal rejeitar o pedido do ministro da Justiça para processar o deputado Márcio Moreira Alves, por pronunciar um agressivo discurso contra as Forças Armadas. No auge da crise, chegam a São Luís o ex-presidente Juscelino Kubitscheck e o deputado Renato Archer, ambos não bem vistos pelo regime militar. A presença de […]


Benedito Buzar

Cadeira 13


As efemérides maranhenses de 2018

6 de Janeiro de 2018

“Em matéria de valores, não se pode comparar a grana de Gedel com a de Jânio. Mas no tocante à origem do dinheiro, o baiano e o maranhense não sabem explicar como conseguiram amealhá-lo” Respaldado no precioso livro “Efemérides Maranhenses”, da autoria do saudoso professor Mário Meireles, eis os principais eventos e acontecimentos, ocorridos em nosso Estado, em anos pretéritos, que, merecem, pela sua significação histórica e cultural, ser lembrados e até comemorados. 14 de outubro de 1818 – Há 200 anos, nasce em Brejo, Cândido Mendes de Almeida, bacharel em Direito, jornalista, historiador, geógrafo, professor e parlamentar. Pertenceu à […]


Joaquim Haickel

Cadeira 37


Um pouco sobre Zé Louzeiro

6 de Janeiro de 2018

Vou tentar resumir, sem deixar de narrar as passagens mais relevantes de minha convivência com José de Jesus Louzeiro, ele que foi pioneiro dos romances reportagens no gênero policial no Brasil, autor de livros que serviram de base para que ele mesmo desenvolvesse os roteiros de filmes que marcaram o cinema nacional no final dos anos de 1970 e começo da década de 1980, com “Lúcio Flávio, o passageiro da agonia” e “Pixote, a lei do mais fraco”. Conheci Louzeiro no Rio de Janeiro. Fui até lá exclusivamente para conhecê-lo. Havia dois anos que “Pixote” fora lançado e eu queria […]