Notícias

Bandeira Tribuzi revisitado

26 de junho de 2018

Projeto digitaliza o acervo do poeta que manuscritos, livros, partituras e poemas ; proposta é tornar essa obra acessível ao público

Obra do poeta foi digitalizada

SÃO LUÍS- Resgate da memória literária maranhense. É com esse tema que um projeto de pesquisa desenvolvido no Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) digitaliza a obra do escritor Bandeira Tribuzi para torná-la de domínio público. A pesquisa recebe financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa e ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Maranhão (Fapema). Todo o material do projeto está disponível para consulta e pesquisa no Repositório Virtual Bandeira Tribuzi, hospedado na plataforma DSpace.

A digitalização das obras de Bandeira Tribuzi corresponde ao esforço de preservar e popularizar o pulso literário desse autor no ambiente virtual. Com o processo de digitalização, são salvaguardados documentos originais que, devido à fragilidade material, não podem ser manuseados com tanta frequência.

Segundo o coordenador do projeto, professor doutor José Ferreira Júnior, o material digitalizado compreende números do acervo de posse da família do escritor: 60 livros consultados; 12 livros publicados por Bandeira Tribuzi; nove livros e 159 artigos de jornais e revistas sobre Bandeira Tribuzi; além de 46 poemas avulsos, 96 manuscritos, três correspondências, 14 partituras, 28 letras de música, seis documentos desenvolvidos pelo próprio poeta.

“Esse material deu início às atividades práticas de desenvolvimento da pesquisa. Como procedimento metodológico, seguimos os protocolos clássicos da Crítica Genética, que, de maneira geral, estuda a constituição de uma obra literária com base em registros encontrados nos manuscritos do autor”, explicou o pesquisador.

A digitalização do acervo integra apenas uma das etapas do projeto. Inicialmente, foi feito um inventário de dossiê do material disponível da obra de Bandeira Tribuzi; em seguida, construiu-se um protexto (fase inicial da sistematização dos dados levantados no dossiê) em que foram apontados a configuração dos documentos recuperados, o tratamento dado ao conjunto da documentação e a viabilidade ou não de publicação do conteúdo. Após essa fase, analisou-se o percurso construtivo e produtivo de Bandeira Tribuzi, organizado num Guia de sua produção.

“Os documentos digitalizados envolvem fragmentos de registros históricos que compõem o passado da sociedade maranhense de 1927 a 1977 e que são peças importantes para, por exemplo, o estudo do modernismo no Maranhão, a análise dos jornais de resistência do regime de exceção, pós 1964, e da administração política e econômica dessa época”, analisou Ferreira Junior.

Manuscritos, reportagens sobre Tribuzi estão no acervo

Financiamento
A pesquisa recebeu financiamento por meio do Edital Universal da Fapema. Os investimentos, na ordem de R$ 38 mil, foram destinados, prioritariamente, à aquisição de recursos materiais para digitalização do acervo: scanner de grande formato para digitalização de livros e jornais padrão e tabloide; computadores para montagem das estações de trabalho; e pacote de softwares avançados para o processamento do acervo.

O projeto é desenvolvido no Laboratório de Convergência de Mídias da UFMA, que tem sediado as principais pesquisas realizadas no Departamento de Comunicação Social com foco em questões tecnológicas ou de desenvolvimento de soluções com base em software, banco de dados, mineração de dados e soluções web.

Impactos interdisciplinares

A disponibilização do acervo visa contribuir com pesquisas de professores e alunos de graduação e pós-graduação em diversos campos do conhecimento (jornalismo, história, letras, ciências econômicas, ciências sociais). “Como a obra de Bandeira Tribuzi é complexa e bastante produtiva, temos a convicção de que pesquisadores de outras áreas analisarão o material com enfoques e olhares completamente diferentes. E no final das contas quem sai ganhando é a própria universidade”, garantiu Ferreira Junior.
Além dos impactos acadêmicos, as atividades do projeto revelam-se imprescindíveis para divulgação da obra do poeta maranhense pelo conjunto da população, facilitando-se não somente o acesso, mas sobretudo a compreensão sobre o acervo como um todo.

Formação
Segundo Ferreira Junior, um dos objetivos do projeto é capacitar recursos humanos para o manuseio com os mais diversos suportes de conteúdo (impressos, sonoros, manuscritos): “Durante o desenvolvimento do projeto, os alunos bolsistas aprendem a manusear os softwares de digitalização. Com certeza, esse conhecimento torna-se um diferencial no mercado de trabalho, que exige cada vez mais profissionais com múltiplas habilidades”.

Além da capacitação técnica, o projeto pretende despertar vocação científica e incentivar talentos potenciais entre estudantes de graduação. “Já orientamos quatro estudantes de iniciação científica com clara vocação acadêmica. Eles, inclusive, já participaram de eventos nacionais onde apresentaram comunicações orais e publicaram papers”, destacou o coordenador da pesquisa.