Registros LITERÁRIOS em pauta

Livro “Café Literário – Memória”, organizado pela escritora Ceres Costa Fernandes será lançado hoje, às 19h na Academia Maranhense de Letras
\"Ceres

O registro das reuniões literárias realizadas no Centro de Criatividade Odylo Costa, filho entre os anos de 2010 e 2014 integram o livro “Café Literário – Memória”, organizado pela escritora Ceres Costa Fernandes, que, à época, respondia pela direção daquele Centro. O lançamento será hoje, às 19h, na Academia Maranhense de Letras (AML).

Idealizado por Ceres Costa Fernandes, os cafés literários reuniram personalidades das letras do Maranhão e do Brasil em eventos que contavam com a presença de um público que lotava as dependências do Odylo. Passaram por lá nomes como Nauro Machado, José Chagas, Zelinda Lima, Aldo Leite, Ronaldo Costa Fernandes, Laura Amélia Damous, Antonio Carlos Secchin, Marcelo Sandmann, Ubiratan Teixeira e Zé Maria Nascimento, José Neres e José Ewerton, entre outros.

O livro traz um vasto acervo fotográfico e ainda os nomes dos palestrantes, a data e o título das palestras, um breve resumo do que foi discutido e ainda a bibliografia dos convidados. “Durante quatro anos consecutivos o Café Literário constitui-se numa referência altamente positiva na fragmentária e espasmódica vida cultural de São Luís, chegando a formar uma plateia fiel”, escreveu o pesquisador Jomar Moraes em texto de apresentação do livro.

Para Ceres Costa Fernandes, o livro é um registro histórico de relevância para a vida cultural maranhense, considerando-se a duração do evento, a qualidade dos palestrantes e o grande público movimentado por ele. “O Café Literário foi uma prova de que há público para eventos literários em São Luís. Começamos com um público de 40 pessoas e ao final tínhamos cerca de 300”, destaca.

Ela lembra que quando assumiu a gestão do Centro, ainda em 2009, logo teve a ideia de criar o projeto. “Encanta-me aquela arquitetura, a mistura do antigo com o moderno, olhava o espaço e pensava que podíamos ocupar com algo que explorasse mais a área literária, então representada apenas pela biblioteca. Assim surgiu o Café Literário, nas gestões de Luis Bulcão e Olga Simão, como secretários de Cultura do então governo Roseana Sarney”, relembra a professora.

Público

Em 2010, as reuniões aconteceram de maio a novembro, na sala Nauro Machado. “Em 2011, mudamos para a Galeria Valdelino Cécio e o primeiro evento daquele ano reuniu mais de 100 pessoas”, diz Ceres Costa Fernandes.

Um dos cafés mais aclamados daquele ano foi o que homenageou o poeta José Chagas. A palestra, proferida por Sebastião Moreira Duarte sob o título de “Poesia e Prosa de José Chagas”, reuniu quase 200 pessoas.

O maior público registrado foi durante a palestra do professor Hildeberto Fernandes que falou sobre “Nauro Machado – poeta do ser e da linguagem”, com a presença de mais de 300 pessoas.

A partir de abril de 2013, o Café Literário foi interiorizado. Graças a uma parceria com a Universidade Virtual do Maranhão, os eventos passaram a ser transmitidos, ao vivo, sob forma de videoconferência, para os pontos de recepção que a Universidade mantém em diversas cidades do interior do Maranhão.

São Luís se ressente de espaços para a apresentação e discussão de cultura literária, estimuladores do hábito e do prazer da leitura”

Serviço

O quê

Lançamento do livro “Café Literário – Memória”

Quando

Hoje, às 19h

Onde

Academia Maranhense de Letras, Rua da Paz, Centro


fonte: OEstadoMA.com

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carrinho de compras